Charge: Pelicano

#VejaTemMedo: O envolvimento da mídia no caso Cachoeira

A mídia tradicional muito tem falado sobre o esquema de corrupção entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e a construtora Delta. Em meio a tantas notícias sobre o caso, poucas realmente explicam o caso sem manipular ou ocultar algumas informações, de acordo com os interesses dos donos da mídia brasileira.

O OkayLG vem através deste texto apresentar os personagens de toda essa história, explicar como funcionava o esquema entre Cachoeira e a Delta e jogar uma luz sobre a participação da mídia burguesa nisso tudo.

A Delta

A construtora carioca Delta tem um histórico de boa gestão, tendo trabalhado com pequenas obras, tanto do setor público quanto do privado, chegando aos poucos ao melhor resultado que alcançou, uma média de 14,5% de retorno nos empreendimentos realizados.

O bicheiro

Ao contrário da imagem da construtora, a de Carlinhos Cachoeira traz um extenso histórico de envolvimento em falcatruas, passando pelos escândalos de propina envolvendo Waldomiro Diniz, o assessor de José Dirceu, Ministro da Casa Civil do governo Lula em 2004, até chegar à sua mais recente prisão, em fevereiro deste ano, resultado da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. Neste caso, a operação visava desmontar um esquema de exploração de máquinas caça-níqueis em Goiás, mas acabou resultando na descoberta de mais escândalos de corrupção envolvendo o senador Demóstenes Torres (ex DEM-GO) e os governadores Agnelo Queiroz (PT-DF) e Marconi Perillo (PSDB-GO), além do jornalista Policarpo Júnior, que liga a revista Veja a toda essa sujeira.

A relação entre Delta e Cachoeira

A boa moça Delta se suja quando se envolve com Policarpo. Tal relação é descrita nos quatro passos abaixo que foram extraídos do site do Jornal Já.

1. A Delta se habilitava a uma licitação na qual houvesse garantia de aditamento do contrato (isto é, de reajuste posterior do contrato).
2. Tendo essa garantia, apresentava um preço imbatível, muitas vezes inexequível. No caso do aeroporto de São Paulo, por exemplo, o maior lance foi de R$ 280 milhões. A Delta apresentou uma proposta de apenas R$ 80 milhões.
3. Ganhava a licitação e depois aguardava o aditivo. Enquanto isto, a empresa ficava sem caixa para bancar seus fornecedores – de peões de obra a vendedores de refeições e cimentos. Aí entrava Cachoeira garantindo o capital de giro da empresa com dinheiro clandestino, do jogo. Ou com o fornecimento de insumos, através de empresas laranjas. Estima-se que o desembolso diário do bicheiro fosse de R$ 7 milhões, mais de R$ 240 milhões por mês.
4. Quando vinha o aditivo, a Delta utilizava o recurso – legal – para quitar as dívidas com Cachoeira, através das empresas laranja. Era dessa maneira que Cachoeira conseguia legalizar o dinheiro do jogo.

Demóstenes Torres

O senador Demóstenes Torres é o playboy do grupo. Acostumado com fino trato, soube escolher as amizades para alcançar postos que causam inveja a muitos. Integrou o Ministério Público de Goiás desde 1983, alcançando a função de Procurador-Geral, foi Secretário de Segurança Pública do Estado de Goiás no governo de Marconi Perillo de 1999 a 2002, senador em 2002 e desde 2009 Presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.
No envolvimento com Carlinhos Cachoeira a boa vida não foi diferente, obtendo propina do bicheiro em troca de favores como a ajuda na nomeação da família em cargos públicos. Um exemplo foi a nomeação de Mônica Beatriz Silva Vieira, a prima de Cachoeira, ao cargo de Diretora Regional da Secretaria de Estado de Assistência Social em Uberaba, artifício que Demóstenes facilitou com a ajuda de seu amigo, o senador e ex-governador de Minas,  Aécio Neves (PSDB-MG).

Perillo e Agnelo

As escutas telefônicas da Operação Monte Carlo resultaram de 250 mil horas de gravações, sendo que o nome do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB-GO) é citado quase 300 vezes. Isso tudo indica um possível forte envolvimento de Perillo nas fraudes da quadrilha de Cachoeira. Perillo e Cachoeira devem depor na CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Investigação) do Cachoeira em breve.
No caso de Agnelo Queiroz (PT-DF), governador do Distrito Federal, não há tantos indícios de envolvimento no esquema, mas ainda assim ele deve depor na CPMI.

Policarpo Júnior e a Veja

O jornalista Policarpo Júnior, redator chefe da revista Veja, revista de maior circulação no país, foi apontado pela Polícia Federal como mais um dos que tem forte envolvimento com o bicheiro Cachoeira. De acordo com as investigações da PF, Policarpo realizou cerca de 200 ligações para Cachoeira.
O bicheiro era usado como fonte de denúncias em relação a órgãos do Governo Federal como o Dnit, órgão do Ministério dos Transportes responsável por diversas obras. As denúncias passadas por Cachoeira eram publicadas na Veja, agradando tanto a Cachoeira quanto à mídia da direita elitista.

A resposta da mídia

Em resposta à exposição de Policarpo Júnior pelas investigações da PF, a Editora Abril (dona de veículos como a revista Veja e a emissora MTV), as Organizações Globo (que também deve temer as investigações) e a Folha de S. Paulo se uniram para pressionar o Governo Federal.
Fábio Barbosa, presidente da Abril, foi à Brasília para garantir que os nomes de Roberto Civita (dono da Abril) e do já citado Policarpo Júnior não fossem citados na CPMI do Cachoeira, temendo a criação de uma CPI da Mídia. O nome do patrão ele conseguiu blindar, mas não aconteceu o mesmo com o de Policarpo.
Ao mesmo tempo João Roberto Marinho enviou um comunicado à Brasília, onde dizia que haveria retaliação, caso o governo convocasse algum jornalista para depôr em CPI.
Por último foi a vez de Otávio Frias Filho, da Folha de S. Paulo, que se juntou aos outros dois veículos nas ameaças ao governo.
Segundo o jornal online Brasil 247, este grupo tem um representante político na CPI, o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ).
Na edição do último dia 27 de abril a Folha publicou a seguinte nota:

“O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) vai argumentar na CPI, com base no artigo 207 do Código de Processo Penal, que é vedado o depoimento de testemunha que por ofício tenha de manter sigilo, como jornalistas. O PT tenta levar parte da mídia para o foco da investigação”.

O 247 ainda cita o fato de na Inglaterra o empresário da mídia Rupert Murdoch ter sido forçado a depôr em uma CPI, em relação às escutas clandestinas que o tablóide The Sun mantinha para conseguir informações.
Lá o governo não se intimidou nem se deixou levar às argumentações de que os jornalistas não poderiam depôr na CPI por questão de liberdade de imprensa. Aqui parece que também não deve passar batido, já que Policarpo Júnior e Roberto Civita foram convocados e devem depôr na CPMI na próxima 3ª feira, 15/05.

Nas redes sociais

Como resultado do envolvimento da Veja no caso Cachoeira, os internautas têm levantado diversas hashtags nos últimos dias.

A Veja, a Folha e as Organizações Globo vêm publicando textos criticando os movimentos no Twitter.
A revista da Abril publicou um texto onde afirma que os protestos no microblog se devem ao uso de robôs virtuais criados por pessoas a quem chama de “petistas amestrados” e “insetos”.

Opinião

Já era hora da máscara da mídia elitista de direita cair!
Com a convocação de Civita à CPMI, temos a chance de desmantelar de uma vez três midiatizadores que se fazem de bons moços enquanto o povo se guia com base em informações manipuladas.
São apenas duas as opções do que deve acontecer: ou presenciaremos a eclosão da libertação gradual do povo brasileiro em relação às vendas do PIG, ou mais uma CPI acabará em pizza.
Que seja a primeira opção e que, mesmo sendo a segunda, que façamos com que o povo descubra a realidade da mídia elitista que ainda assola o destino do país.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s